Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Mercado da Praça da Figueira

"É ainda hoje um dos melhoramentos devidos ao grande marquez de Pombal.
Havendo ardido o Hospital de Todos os Santos e tendo-se resolvido a sua mudança para o local que hoje occupa, com o nome de Hospital de S. José, foi o local, onde até ahi existira, cedido por uma doação regia á camara municipal de Lisboa.
O alvará d'esta doação é de 2 de novembro de 1775, e a area doada compõe-se de quatro frentes, tendo por extensão, de norte a sul, trezentos e oitenta palmos, e de nascente a poente quatrocentos e quarenta.
<<A edificação d'este mercado diz o sr. Freire d'Oliveira nos Elementos para a historia do municipio de Lisoa, custou á cidade dez contos duzentos cincoenta e um mil trezentos e quarenta e dois réis>>, isto é, a decima parte do custo do mercado 24 de Julho, concluido em 1881...Este mercado conservou o risco primitivo até 1834, tendo soffrido depois alterações, sendo as mais notaveis as de 1849, porque então foi fechado com portas e grades de ferro nas suas oito entradas."

in http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/Ocidente/1884/N194/N194_item1/P3.html

Mercado da Praça da Figueira edu port 2.jpg

Mercado da Praça da Figueira, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Nasceu em 1755, no terreno das ruínas do Hospital de Todos os Santos, pondo-se como mercado central e destinado à venda de frutas e legumes. Passou entretanto por vários nomes: Horta do Hospital, Praça das Ervas, Praça Nova e Praça da Figueira. De um local de bancadas diárias passou a praça fixa, com barracas arrumadas e um poço próprio.Ao longo dos tempos, foi sofrendo algumas alterações consoante as necessidades da população. Assim, em 1835, é arborizada e iluminada, em 1849 foi-lhe colocada uma cerca gradeada, coberta e com 8 portas e em 1882 foi aprovado o projecto da nova praça, que consistia num edifício rectangular, com estrutura metálica e ocupando uma área de quase 8 mil metros quadrados.Da venda de fruta e legumes, passou-se à transacção de outros produtos alimentícios necessários à população, fazendo da baixa lisboeta um local com um constante fervilhar de vida.Desde logo, a praça tornou-se um dos emblemas de Lisboa, quer pela sua construção, quer pela sua localização no centro da cidade, quer ainda pela realização de verdadeiros arraiais por altura dos santos populares, transformando-a num verdadeiro teatro.Em 1947, a vereação da altura decidiu o fim da praça, prevendo o alargamento da rede viária de Lisboa, que incluía a demolição do Socorro e zona baixa da Mouraria como forma de escoamento de trânsito, aproximando a cidade de Lisboa aos padrões europeus. Em 1949 festeja-se o último Stº António, procedendo-se de seguida - a 30 de Junho - à demolição do edifício. 1968 é o ano da assinatura do contrato para a construção da estátua equestre de D. João I.

in http://revelarlx.cm-lisboa.pt/gca/?id=476

Panorâmica de Lisboa tirada do Castelo de São Jo

Panorâmica de Lisboa tirada do Castelo de São Jorge, vendo-se o mercado no canto inferior esquerdo, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Mercado da Praça da Figueira judah.jpg

, Mercado da Praça da Figueira, interior, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

Mercado da Praça da Figueira edu port 1.jpg

 Mercado da Praça da Figueira, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

judah benoliel.jpg

 Mercado da Praça da Figueira, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

 

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D