Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

PALÁCIO DO CUNHAL DAS BOLAS

ANTIGUIDADE DO PALACIO DO CUNHAL DAS BOLAS
" Pelos annos de 1737 pertencia este palácio a D. Antonio de Mello de Castro e Mendonça, filho de D. Violante Casimira de Mendonça, casado com D. Maria Francisca Bonifacia de Vilhena, fidalgo da casa real, e commendador da ordem de S. Thiago. Pouco antes, Paulo de Carvalho e Athaide, principal da santa egreja patriarchal, para se pagar de certas quantias que D. Antonio lhe devia, por execução judicial que lhe moveu, arrematou em praça a maior parte das <<casas ao cunhal das bolas>>, como livres, e tomou posse d'ellas. Recorreu o executado ao favor do soberano, e conseguiu d'elle a especial graça de um decreto para poder remir, apesar de terem decorrido alguns annos, a parte d'aquellle palacio que lhe fora rematada, com a condição de pagar ao rematante o preço da arrematação e toda a sua divida. Não achando porém dinheiro para desfructar a graça da remissão, recorreu de novo a el-rei, e precedendo o consentimento do immediato successor, e as mais formalidades necessarias, alcançou uma provisão regia para obrigar e hypothecar, sem limitação de tempo, não sómente a parte do palacio que pretendia remir, mas tambem o restante d'elle com todas as suas pertenças, e todos os mais bens livres e do morgado, com seus rendimentos, à quantia de quinze mil cruzados a juro de 6 1/4 por cento ao anno, com a condição de que esta quantia fosse destinada unicamente á dita remissão, e depositada por quem a désse no juizo das capellas, para por elle ser pago o arrematante.
Com a segurança d'esta real provisão perpétua, e de se transferir o direito do rematante para quem dêsse o dinheiro, conseguiu D. Antonio, por escriptura publica de 16 de fevereiro de 1737, haver de Antonio de Castro Alvellos, conego da sé oriental de Lisboa, nove mil cruzados. Mas não se tendo podido ultimar o contrato por causa de varios incidentes sobrevindos, trespassou o dito conego a sua acção e direitos para seu sobrinho o beneficiado Francisco de Castro Alvellos, com quem D. Antonio celebrou novo contrato em 21 de maio de 1738, pelo qual aos nove mil cruzados se juntaram mais tres, e se reduziu a 440:000 réis a renda annual do dito palácio, que na antiga escriptura se estipulára em 480:000, para pagamento do juro do capital mutuado, com arrendamento do mesmo palacio ao mutuante. A este tempo era já fallecido o principal Paulo de Carvalho e Athaide, e em força da real provisão, e d'este contrato, se fez com os herdeiros d'elle a remissão da parte do palacio que fôra executada."
in Archivo pittoresco : semanario illustrado,6.º Ano, n.º 20, 1863

Cunhal das Bolas, judah.jpg

 Cunhal das Bolas, foto de Judah Benoliel, in a.f. C.M.L.

Atlas da carta topográfica de Lisboa n 42 1.jpg

Atlas da carta topográfica de Lisboa, nº 42, in A.M.L.

Levantamento topográfico de Francisco Goullard n

Levantamento topográfico de Francisco Goullard nº 290, in A.M.L.

Cunhal das Bolas, edu.jpg

 Cunhal das Bolas, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

 

Cunhal das Bolas, anos 40, foto de Eduardo Portuga

Cunhal das Bolas, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Frades de pedra no Cunhal das Bolas, pozal.jpg

Frades de pedra no Cunhal das Bolas, foto de Fernando Martinez Pozal, in a.f. C.M.L.

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Pesquisar

 

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D