Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Ponte de Alcântara

"Esta ponte tem a infausta celebridade de dar o nome á batalha que junto d'ella pelejaram as tropas de D. António, prior do Crato, contra o exercito invasor de Filippe II de Castella, commandado pelo Duque de Alva...N'aquelle tempo a ponte de Alcantara estava solitaria, porque ficava n'um arrabalde despovoado pertencente á freguezia d'Ajuda. Foi-se elle successivamente cobrindo de habitações, hortas e residencias nobres, até que formou um bairro, e depois do terremoto uma parochia.
Em 1743 alargou-se a ponte e lhe foi posta uma imagem de S. João Nepomuceno, de pedra, estatura colossal, obra do esculptor italiano João António de Pádua...A estatua de S. João Nepomuceno, que os moradores do bairro d'Alcantara lhe encommendaram para a ponte...tem no pedestal a seguinte inscripção:

S. JÓANNI
NEPOMUCENO
NOVO ORBIS THAUMATURGO
TERRAE AQUI IGNIS AERIQUE
IMPERANTI
ATQUE CUM ALIAS
TUM PRAESERTIUM IN ITINERE
MARITIMO
LUCULENTO SOSPITATORI SUO
GRATI ANIMI ERGO
HANC STATUAM
POSUIT
CLIENS DEUOTISS,
AN: REPARAT: SALUT:
M: DCC: XLIII.

JOÃO AN.TO D. PADOA A FES

A tradução á seguinte: A S. João Nepomuceno, novo taumaturgo do mundo, dominador de terra, do fogo, da água e do ar, e sobretudo aplacador dos mares, um seu devoto, reconhecido para com o seu protector, ergueu esta estátua no ano de 1743 depois de salvo."

in http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/Olisipo/1942/N18/N18_item1/P8.html

ArquivoPitorescoN23_0001_branca_t0 1.jpg

 Ponte de Alcântara,  Archivo pittoresco : semanario illustrado, 5.º Ano, n.º 23, 1862

Olisipo_N18_Abr1942_0069 1.jpg

Estátua de  S. João Nepomuceno, in Olisipo : boletim do Grupo "Amigos de Lisboa", A. V, n.º 18, Abril 1942

Ponte de Alcântara.jpg

Ponte e Portas de Alcântara, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

18198340_1337203783026026_7539552089235787473_n1.j

Planta da zona do Calvário e de Alcântara publicado por Filipe Folque no Atlas Topográfico de Lisboa de 1857 (n.º 47 e 56)

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 47, 18

Atlas da carta topográfica de Lisboa, n.º 47, 1857, de Filipe Folque, in A.M.L.

Planta topográfica de Lisboa e seus subúrbios, 1

Planta topográfica de Lisboa e seus subúrbios, 1807, José Fava, in  A.M.L. A vermelho a localização da ponte

Poderá ver com mais detalhe, noutra planta em http://purl.pt/21796/2/

Olisipo_N18_Abr1942_0077 1.jpg

 in Olisipo : boletim do Grupo "Amigos de Lisboa", A. V, n.º 18, Abril 1942

"...Êste rio (Alcântara), na parte extrema do seu percurso, é o último vestígio de um braço ou esteiro do Tejo, que em tempos pré-históricos aí devia ter existido, mas que, com o decorrer dos séculos, se foi assoriando e alteando, formando um vale com largura variável, que no sítio da Ponte Nova, a cêrca de 2150 metros da muralha do cais de Alcântara, atinge hoje a cota de 15 metros acima do nível médio das águas do Oceano...Convém desde já dizer onde ficava a ponte de Alcântara, desaparecida há cerca de 55 anos...O seu local era na junção das actuais ruas de Alcântara e do Prior do Crato, D. António, na direcção dos carris da viação eléctrica, e perpendicularmente à linha férrea que vai da estação de Alcantara-terra para a de Alcântara-Mar pelo leito da rua de João de Oliveira Miguens. As cancelas da passagem de nível do caminho de ferro marcam aproximadamente o vão do arco central da ponte, e a linha da frontaria do mercado de Alcântara e os topos fronteiros dos muros divisórios do terreno do leito da via férrea marcam a largura da ponte.
A guarda norte da ponte, foi demolida por 1886 ou 1887, para a construção da estação de Alcântara da linha férrea de Lisboa a Sintra e Tôrres Vedras, e ramal da Merceâna.
Por essa ocasião apeou-se a estátuade S. João Nepomuceno, que em 1889 foi mandada depositar pela Câmara Municipal no Museu Arqueológico do Carmo...A guarda sul, desapareceu em 1888, quando se cobriu o caneiro de Alcântara para assentamento da via férrea que ligava a linha de Alcântara-terra a Campollide com a de Alcântara-mar a Cascais.
O arco maior da ponte, único que se conservava, corresponde ao eixo da via férrea, e as cancelas da passagem de nível definem aproximadamente o local dos encontros do arco que ali existe soterrado.
Com os elementos de que dispomos, devemos presumir que a ponte era construida de cantaria, e teve de origem três vãos de arcos, sendo o central de volta inteira; que o oriental, por desnecessário, foi entaipado talvez no século XVIII; e que o oriental foi vedado nos meados do século XIX."

in Olisipo : boletim do Grupo "Amigos de Lisboa", A. V, n.º 18, Abril 1942

Mercado de Alcântara.jpg

Mercado de Alcântara, 1940, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

"As cancelas da passagem de nível do caminho de 

ferro marcam aproximadamente o vão do arco central da ponte, e a linha da
frontaria do mercado de Alcântara e os topos fronteiros dos muros
divisórios do terreno do leito da via férrea marcam a largura da ponte."

Mercado de Alcântara 1.jpg

Mercado de Alcântara, 1940, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Pesquisar

 

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D