Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Paixão por Lisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Parque Eduardo VII

Voltemos ao Parque Eduardo VII. O Famoso lago que muitos desconheciam, e que a muitos deixa dúvidas quanto à sua origem.
Para ficarmos a conhecer um pouco melhor a história deste lago, vamos-nos valer de Norberto de Araújo, nas suas "Peregrinações em Lisboa", Livro 14; diz-nos então o Olisipógrafo:
"A tentativa mais persistente, e não trato de saber se sempre bem orientada, para se fazer alguma coisa deste Parque, deve-se a Quirino da Fonseca.
O lago, que se situa logo adeante dos portões, é de construção recente, 1929, e destina-se a ser ligado a outros que vencidos os desníveis, correm superiormente, além das cascatas, junto da Estufa Fria."

O projecto de Keil do Amaral de 1940, executado entre 1945 e 1949, viria a dar o formato rectangular ao Parque (o formato actual), eliminando o Lago.

Lago do parque Eduardo VII, 1940, foto da colecç

Lago do parque Eduardo VII, 1940, foto da colecção Cassiano Branco, in a.f. C.M.L.

Desenho a aguarela sobre tela representando a plan

Desenho a aguarela sobre tela representando a planta geral do Parque da Liberdade, actual Parque Eduardo VII, assinado pelo engenheiro António Maria de Avelar, 1899, in a.f. C.M.L.

30349885083_5b3307e6d2_o.jpg

Construção do Lago do parque Eduardo VII, s/d, foto de Mário Novais, in Biblioteca de Arte / Art Library Fundação Calouste Gulbenkian

Fotografia aérea da avenida da Liberdade, Marquê

Fotografia aérea da avenida da Liberdade, Marquês de Pombal e Parque Eduardo VII, entre 1930 e 1932, foto de Manuel Barros Marques, in a.f. C.M.L.

Projecto do parque Eduardo VII.jpg

Projecto do parque Eduardo VII, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, lago, post. 1929, foto de Paul

Parque Eduardo VII, lago, post. 1929, foto de Paulo Guedes, in a.f. C.M.L.

Fotografia aérea do Parque Eduardo VII, 1934, fot

Fotografia aérea do Parque Eduardo VII, 1934, foto de Pinheiro Correia, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, entrada e lago, ant. 1044, fot

Parque Eduardo VII, entrada e lago, ant. 1944, foto de Eduardo Portugal, in a.f. C.M.L.

Lago do Parque Eduardo VII, ant. 1950, foto de Kur

Lago do Parque Eduardo VII, ant. 1950, foto de Kurt Pinto, in a.f. C.M.L.

Arranjo do Parque Eduardo VII com a localização

Arranjo do Parque Eduardo VII com a localização de edifícios públicos, 1945, in A.M.L.

Fotografia aérea sobre o Parque Eduardo VII, 1950

Fotografia aérea sobre o Parque Eduardo VII, já sem lago, 1950, fotógrafo n/i, in a.f. C.M.L.

 

 

 

Torrinha

Das casas edificadas, nas várias quintas, demolidas para a construção do Parque da Liberdade, renomeado de Parque Eduardo VII, em honra do monarca inglês que visitou Lisboa, a que chamava a atenção, não pela sua grandeza, mas pela sua singularidade era a "Torrinha". Tinha a particularidade de ter como parte destacada, uma torre octogonal, rasgada de janelas em dois pisos acima do rés-do-chão, coberta por um telhado em forma de pirâmide também octogonal e toda ela pintada de cor-de-rosa, constituindo um traço fisionómico muito característico de paisagem lisboeta.

Pode-se afirmar que, em 1764 eram a quinta e casas da Torrinha pertença de Luís da Fonseca Claro, oficial da Secretaria do Tabaco, sendo as ditas casas descritas como constando de «lageas e sobrados» e o seu rendimento avaliado em 36$000 réis.
O último proprietário conhecido foi o capitalista José Maria Eugénio de Almeida, que já era proprietário de várias terras confinantes, ficando na posse da família até à cedência à C.M.L. dos terrenos que fazem hoje parte do Parque Eduardo VII.
O último inquilino da Câmara na Torrinha foi Gustave Mathieu, que após intimação para o seu despejo, impugna judicialmente a dita ordem, conseguindo adiar o inadiável.
A demolição da Torrinha começou na Sexta-Feira Santa, 24 de Abril de 1916.

Editado em 22-03-2017, 19:21 H, após colaboração do confrade Bic Laranja, vd, caixa de comentários.

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916,

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916, foto de Paulo Guedes, in a.f. C.M.L.

Quinta da Torrinha.jpg

Quinta da Torrinha, in "Depois do terremoto; subsídios para a história dos bairros ocidentais de Lisboa", Vol. I, de Gustavo Matos Sequeira.

0001_M (1).jpg

Monumento aos Restauradores e panorâmica da avenida da Liberdade, a seta aponta a localização da "Torrinha", ant. 1916, foto de Augusto Bobone, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916,

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916, foto de José Arthur Leitão Bárcia, in a.f. C.M.L.

torrinha.jpg

Planta da Av.da Liberdade e do então Parque da Liberdade, publicada na Revista "O Occidente"

0001_M (2).jpg

 Avenida da Liberdade, a seta aponta a localização da "Torrinha", ant. 1916, foto de Alexandre da Cunha, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916,

Parque Eduardo VII, casal da Torrinha, ant. 1916, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

 

 

Feira de Agosto

"Quando vem o mez de agosto, começa a sahir de Lisboa a gente que se presa, uma grande parte para fingir de rica, que vae gosar os rendimentos para o estrangeiro, para o campo e para as praias, como é de bom tom e de bom gosto...
Lisboa fica então ás moscas, aos economicos, que deitam contas á vida, e ao proletariado, que não tem de que deitar contas.
Fecham os teatros, fecham-se as salas, dam-se as ultimas touradas no Campo Pequeno, e para acabarem todas as distrações ao lisboeta fecham-se este anno as côrtes, a unica coisa que ainda mexia neste mar morto da capital do reino.
Veio porém o progresso cá da terra e achou improprio de uma capital os seus usos tradicionaes. Abolio os arraiaes e feiras intra muros por indecentes e más figuras. Não se queriam esses espéctaculos e distrações saloias; nada de arraiaes aos santos populares, nem de feiras velhas nesta Lisboa formosa e risonha.
As feiras eram outra distração para o lisboeta, que adora os petiscos saboreados na barraca de lôna com suas cortinas de ramagem de cores berrantes, e o torreano bebido por tigelas a regar as belas caldeiradas, as sardinhas na grelha...e toda essa culinaria nacional que vae desde a canja de galinha até ao mexilhão.
Não se queriam mais essas coisas na cidade e a cidade entristeceu por estes mezes de verão...
Tudo voltou como antes e Lisboa passou o verão de 1907 só com a feira de Alcantara e a de Belem, esta quando já goteja a telha e o povo tem os teatros e circos abertos em Lisboa para sw divertir ás noites, não falando na praga dos animatografos.
Este anno, porém, desforrou-se. A seguir á feira de Alcantara, inaugurou-se a feira de agosto que entra pelo setembro, até que cheguem as peras cosidas e as castanhas assadas.
Uma grande feira, no futuro parque Eduardo VII, lá no alto da Avenida, uma feira a que antes se devia chamar <<Centro de Diversões, porque pouco ou nada se vende do que se traz paea casa.
Da feira de agosto só se poderá trazer para casa alguma bugiaria, e no estomago alguns petiscos, pois quanto ao mais do que lá se gasta lá fica.
Para isso tem o publico por onde escolher, desde o velho tutilimundi ao moderno cinematografo, desde a apimentada revista de anno até á zarzuela, em teatros de luxo abrigados a pinho e papelão pintado com luz eléctrica, geral, superior e cadeiras para distinção de classes.
Realejos colossaes, como grandes orquestras, que tocam á porta dos espectaculos e se ouvem a meia legua de distancia.
As barracas de petiscos tomaram ares de restaurantes, e já não são reles cortinas de ramagem que devidem seus gabinetes particulares, mas biombos de papel pintado e reposteiros discretos, todos iluminados a luz eléctrica.

Um destes restaurantes, por exemplo, anuncia as caldeiradas á marinheira comidas a caracter, na tolda de um navio armado em terra firme, com seus mastros e vergas.
Botequins ao ar livre e cervejarias.
O bazar do Albergue das Creanças Abandonadas, outro ponto de reunião, com tombolas e sortes, em beneficio daquelles pobres que não teem sorte.
Á noite, mais tem que ver a feira com seus renques de luz eléctrica e arcos voltaicos, apresentando de fóra uma perspéctiva linda com seu tanto de fantastica.
Para nada faltar, por lá gira a roleta rapando os ultimos cobres aos viciosos das duzentas.
E assim, o lisboeta tem agora onde entreter as noites calmosas."
in O Ocidente : revista ilustrada de Portugal e do estrangeiro, N.º 1069 ( 10 Set. 1908 )

Feira de Agosto1.jpg

 Feira de Agosto, 1911, fotógrafo n/i, in a.f.C.M.L.

Feira de Agosto, alberto.jpg

Feira de Agosto, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Feira de Agosto, ni.1.jpg

 Feira de Agosto, 1908, fotógrafo n/i, in a.f.C.M.L.

Parque Eduardo VII, pavilhão na Feira de Agosto,

Parque Eduardo VII, pavilhão na Feira de Agosto, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f. C.M.L.

Feira de Agosto no parque Eduardo VII, teatro Júl

Feira de Agosto no parque Eduardo VII, teatro Júlia Mendes, 1911, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Feira de Agosto, ni.jpg

 Feira de Agosto, sem data, fotógrafo n/i, in a.f.C.M.L.

Feira de Agosto no parque Eduardo VII, barraca das

Feira de Agosto no parque Eduardo VII, barraca das farturas premiada pelo júri, 1911, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Feira de Agosto no parque Eduardo VII, pavilhão d

Feira de Agosto no parque Eduardo VII, pavilhão do Metropolitan Scenic Railway, 1910, foto de Joshua Benoliel, in a.f. C.M.L.

Parque Eduardo VII, pavilhão na feira de Agosto,

Parque Eduardo VII, pavilhão na feira de Agosto, pós 1907, foto de Alberto Carlos Lima, in a.f.C.M.L.

Feira de Agosto.jpg

 Feira de Agosto, 1911, fotógrafo n/i, in a.f.C.M.L.

 

Parque Eduardo VII

"Inicialmente denominado por Parque da Liberdade, foi rebaptizado em 1903 em homenagem ao rei Eduardo VII de Inglaterra por ocasião da sua visita a Portugal. Os trabalhos de ajardinamento começaram em 1915, contudo seu aspecto actual é o resultado parcelar de um projecto que cobria toda a região compreendida entre a Rua Marquês da Fronteira e a Praça Marquês de Pombal.
O Parque Eduardo VII continua a ser o grande jardim da cidade de Lisboa (não sendo um verdadeiro parque porque não se encontra murado), dispondo de uma Alameda central coberta de relva ladeada por um passeio em calçada portuguesa, dividindo o parque em dois sectores de verde mais arborizado e denso onde se encontram o Pavilhão Carlos Lopes e a Estufa Fria. O Parque dispõe ainda de lagos, estatutária, parque de merendas, esplanada, bebedouros e parque infantil."

in http://www.agendalxhttp://www.agendalx.pt/local/parque-eduardo-vii.pt/local/parque-eduardo-vii

Fotografia aérea sobre o Parque Eduardo VII.jpg

 Fotografia aérea sobre o Parque Eduardo VII,fotógrafo n/i in a.f. C.M.L.

arruamentos edardo vii.jpg

Projecto dos arruamentos do Parque Eduardo VII, in A.M.L.

Projecto do Parque Eduardo Eduardo VII.jpg

Projecto do Parque Eduardo VII, que inclui a planta geral com a indicação do palácio da cidade, dos monumentos a Marquês de Pombal e a Camilo Castelo Branco, localização de futuros restaurantes, lagos, estufa fria, miradouro e escadaria. Apresenta também os arruamentos da zona, ruas Marquês de Fronteira, Joaquim António de Aguiar e avenida Fontes Pereira de Melo.Augusto Gomes Froes Júnior 1929, in A.M.L.

eduardo vii 1932.jpg

 Projecto do Parque Eduardo VII e prolongamento da Avenida da Liberdade, 1932, in A.M.L.

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

 

Visitante

Tradutor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D